Publicidade
Home  >  News Voltar

Louis MoinetEntrevista com Jean-Marie Schaller

29 de maio de 2020
Recentemente, apenas alguns dias antes do início do "lockdown" na Suíça, nosso parceiro e colaborador Carlos E. Tiburcio Ramos visitou a Louis Moinet, em Saint-Blaise, e conversou com Jean-Marie Schaller, seu fundador e CEO.



Jean-Marie Schaller e Carlos E. Tiburcio Ramos

Pouco tempo depois, durante o evento Discovery Days, que para a Louis Moinet substituiu a participação em Baselworld, cancelada, conversamos novamente com Schaller. Segue abaixo o resultado destas agradáveis conversas.


R&R: Conte-nos um pouco sobre sua carreira e como surgiu a ideia de reviver o nome de Louis Moinet.


JMS: Originalmente, venho das montanhas do Jura, um lugar remoto, mas com uma grande paixão pela relojoaria. Quando menino, considerava o relógio algo especial e muito importante, algo que deveríamos considerar um patrimônio, um legado e não apenas uma maneira de ganhar a vida. Eu sempre pensei que, como um ser humano tem uma alma, um relógio, da mesma forma, tem uma alma também.

Eu sempre trabalhei no área da relojoaria. Anteriormente, iniciei a Perrelet, relançando o seu nome, e trabalhei lá por cinco anos. Também trabalhei para os relógios Lacoste, aumentando bastante as vendas, e toda essa experiência foi muito boa para mim.


Quanto à Louis Moinet, tenho a sensação de que esse era o destino da minha vida: lançar esta empresa. Embora no ano 2000 seu nome e trabalho estivessem esquecidos, o conceito de começar a Louis Moinet se apresentava repetidamente a mim em muitas situações, e por isso decidi iniciar a empresa, sendo os primeiros cinco anos principalmente de pesquisa e desenvolvimento.

Quando começamos, em casa, havia muito poucas fontes de informação sobre Louis Moinet e seus trabalhos.

A documentação era muito escassa, e fizemos muitas pesquisas para descobrir seu grande trabalho, como, por exemplo, que ele foi o inventor do cronógrafo.


Quando comprei o cronógrafo de Louis Moinet original em leilão na Christie's em Genebra, ninguém sabia que este era o primeiro cronógrafo já fabricado, nem mesmo nós!

Louis Moinet era um artista, um relojoeiro e um astrônomo, e trabalhou em estreita colaboração com seu amigo Breguet em sua oficina.


R&R: Além do papel de CEO, você também se envolve na criação dos relógios?


JMS: Estou fortemente envolvido no design e na criação de todos os relógios Louis Moinet e, como acredito que os relógios tenham alma, não devemos vendê-los como itens comuns, como bebidas.

Devemos ser artistas de verdade e vender uma Emoção, uma Alma. O mundo relojoeiro ficou muito seco, com muitas empresas apenas adotando uma pobre abordagem comercial.


Do lado dos colecionadores contemporâneos, há um sentimento de procurar constantemente novidades, e esse também é um grande desafio para nós. No passado, o ciclo de vida dos produtos era muito mais longo, agora não mais.


R&R: Os modelos Louis Moinet têm uma estética muito peculiar. De onde vem a inspiração para criar seus desenhos?


JMS: Na Louis Moinet, temos dois mundos relojoeiros que são nossa principal fonte de inspiração (com base no fato de que ele era um Artista, um Relojoeiro e um Astrônomo), levando à criação de nossas principais categorias de produtos: Arte Cósmica e Maravilha Mecânica.


R&R: Você tem parceiros no desenvolvimento dos movimentos?


JMS: Na Louis Moinet, trabalhamos em estreita colaboração com nossos dois parceiros de movimentos, a fim de desenvolver nossos próprios movimentos de fabricação exclusiva. Eles são os melhores em seus campos e queremos trabalhar apenas com os melhores fornecedores do mercado. O mesmo se aplica quando obtemos as pedras raras e meteoritos que usamos em nossos mostradores, trabalhamos apenas com a autoridade mais importante nesse campo.

Somos uma pequena empresa independente, mas com uma impressionante coleção de relógios com uma ampla gama de movimentos e complicações, como Hour Striker, Cronógrafos, Autômatos, Turbilhões e Duplos Turbilhões.

Este é um investimento importante que fazemos, para lidar com o ritmo atual do mercado e ter nossos próprios movimentos de fabricação exclusiva.


R&R: Qual é a estratégia para alcançar os clientes durante esses dias em particular, que resultaram no cancelamento de Baselworld?


JMS: Com o cancelamento de Baselworld, um evento em que Louis Moinet está presente há mais de uma década, organizamos uma plataforma nova e moderna: o Discovery Days.

O Discovery Days foi realizado de 30 de abril a 5 de maio, substituindo a tradicional feira de relógios Baselworld, da qual Louis Moinet deveria participar.


A Louis Moinet ofereceu uma chance de explorar seus valores históricos e criativos. Esta foi uma abordagem artística, e não comercial, dirigida a todo o mundo enquanto permanecia em casa.

A equipe de Louis Moinet esteve presente em Saint-Blaise, na Imagination Room, o local onde os relógios Louis Moinet são criados. A plataforma de comunicação proposta aos amigos de Louis Moinet, seus embaixadores e clientes, é: www.louismoinet.com


R&R: Como é a distribuição da marca na América Latina? Você tem planos para o Brasil?


JMS: Para a América Latina, temos uma presença muito forte no México, incluindo a participação em edições anteriores do SIAR, e no Brasil temos uma grande história de uma parceria de sucesso com o ex-campeão de Fórmula 1 Nelson Piquet. Também planejamos construir novas parcerias e edições especiais para o Brasil e a América Latina em um futuro próximo.
 

NotíciasRelacionadas

27 de agosto de 2020
27 de agosto de 2020
Publicidade

BRANDPARTNERS